Poema inédito

o sonho de uma empatia impossível
discurso ilegível como a tua vontade
o paleio roto do poeta velho e tonto

sabes como comunicar a minha dor
como se fosse tua por direito e
no entanto
a vida termina aqui
onde começas a pronunciar-te

nessa hora todo eu sou apenas
um irreversível erro de cálculo
na geometria correta e complexa do universo
como se o meu destino não fosse o de lhe moldar a face
como se o amor não fosse possível
no silêncio absoluto de mim e de ti
como se em silêncio eu te não dissesse
todas as coisas belas que esperarias ouvir
e que sem dúvida te são devidas

o meu silêncio
sabes
ele diz coisas tão profundas e verdadeiras
que nem eu sei que as tenho em mim
e no entanto ele as fala
com uma eloquência plena de sentido

escutá-lo
escutar-me
requer uma certa dose de fé
requer uma certa dose de amor
ou de insanidade

como colher uma flor
e logo depois desfolhá-la
como se ela inteira
não fosse suficientemente bela
como se houvesse um outro sentido para lá das pétalas
e não é que há

por isso para
e
escuta o que te digo a seguir
neste poema