Alguns apontamentos sobre a leitura de “Um Longo Acordar”

Escritor Artur Alonso Novelhe

Há dias, estive em Braga com o escritor galego Artur Alonso Novelhe a apresentar o seu mais recente romance, intitulado Um Longo Acordar. Foi uma conversa tão agradável quanto reveladora de algumas das circunstâncias e inquietações que serviram de palco e matéria para a escrita desta obra. Para quem não pôde estar presente, sobretudo os que ainda não tenham tido a oportunidade de ler o livro, aqui partilho algumas das minhas impressões iniciais sobre esta obra.

O título “Um Longo Acordar” é, desde logo, ele próprio um prenúncio daquilo que o leitor encontrará – uma viagem longa, carregada de reflexão e que, eventualmente, o conduzirá a uma espécie de epifania, durante ou após a leitura da obra. Não se trata, pois, de uma alusão a um sono prolongado como no célebre conto infantil da bela princesa adormecida, mas sim a um processo de crescimento pessoal e social que requer, necessariamente, o suporte basilar do próprio tempo. Ler mais...

Um poema traduzido para italiano (inclui áudio)


il sogno di un’empatia impossibile
discorso illeggibile come la tua volontà
lo sproloquio usurato del poeta vecchio e tonto

sai come comunicare il mio dolore
come se fosse tuo di diritto e
intanto
la vita termina qui
dove cominci a pronunciarti

Ler mais...

Apresentação de "Um Longo Acordar", de Artur Alonso Novelhe

Livro Um Longo Acordar, do escritor galego Artur Alonso Novelhe, será apresentado na Livraria Centésima Página, em Braga

No próximo sábado, dia 7 de outubro, às 17h30, estarei em Braga com o escritor galego Artur Alonso Novelhe, na Livraria Centésima Página, a apresentar o seu mais recente livro, "Um Longo Acordar". Trata-se de um romance filosófico que, por entre a narrativa, toca em vários temas muito interessantes e atuais. Um livro que convida a uma reflexão profunda e que certamente não deixará nenhum leitor indiferente.

A Catalunha e o estado atual da Democracia


O que se tem passado nos últimos dias na nossa vizinha Catalunha (nota: este artigo de José Pacheco Pereira é uma excelente análise resumida do tema) é escandaloso e deveras preocupante do ponto de vista de quem acredite na importância da democracia.

Portugal sabe bem, por experiência própria e relativamente recente, o que é viver num estado que não tolera a discussão de ideias políticas, e onde a divergência ideológica é aniquilada pela força e por leis que servem os interesses instalados de alguns em detrimento do bem geral da sua população. Entretanto, temos uma Europa cúmplice do estado espanhol nos seus sucessivos atropelos à liberdade democrática. A mesma Europa que curiosamente admite ou promove referendos e processos de autonomia noutras regiões fica agora em silêncio enquanto Madrid impede os catalães de expressarem livremente e de forma pacífica o que pensam sobre a governação da sua terra. Ler mais...

Porque hoje é dia da Poesia...

“Por


nesse olhar que foge de toda a alteridade
há talvez um certo prazer em arrebanhar a nostalgia e o amor
impugnando e rabunhando a toda a força a exceção intrínseca

queres ratificar o medo
como supremo soberano da empatia possível

Ler mais...